Naquela pequena ilha do mar do Caribe conhecida mundialmente como Jamaica, é incrível observar que em determinado período entre os anos 60  e 70 a quantidade de músicos por metro quadrado era algo surreal! Em cada esquina ou até mesmo nos Yards, cada cidadão queria a sua oportunidade para o estrelato ou talvez ganhar uns trocados. As oportunidades eram poucas para chegar ao reconhecimento. Dentre elas, podemos destacar  uma personalidade que viabilizou esse acesso: Joseph Vere Everette Johns. O público do reggae mundial e até mesmo o Governo Jamaicano deveria dar mais valor ao papel que esse camarada desempenhou. Para entender esse fenômeno, precisamos voltar mais alguns anos.


Joseph Vere Everette Johns

A falta de reconhecimento é tamanha pela Jamaica que, os orgãos responsáveis por conceder as honrarias  jamaicanas não tem o nome dele nos seus registros. Contudo, alguns membros do alto escalão do Governo como a Ex-Ministra da Cultura Olivia 'Babsy' Grange diz que esse descuido é lamentável, e declara: "Não me lembro dele ter recebido uma homenagem nacional. Para uma pessoa que realmente fez tanto para expor o talento jamaicano, ele merece tal reconhecimento". Por meio de seu show de talentos, Vere Johns Opportunity Hour e Opportunity Knocks , ele viabilizou para que artistas em início de carreira tivessem a oportunidade de serem reconhecidos pelo público.


Recorte de jornal do Vere Johns Opportunity Hour


Antes de começar a falar um pouco da sua vida, vamos fazer uma pequena lista de nomes que já passaram por suas mãos: Alton Ellis, Hortense Ellis, Lloyd Charmers, John Holt, Bob Andy, Desmond Dekker, The Wailers, Jackie Edwards, Dobby Dobson, Boris Gardiner, Millie Small, Jimmy Cliff, The Blues Busters, Derrick Morgan, Lascelles Perkins, Higgs e Wilson, Bunny e Skully, Laurel Aitken, Jimmy Tucker, Girl Satchmo, Roy Richards, Charlie Organaire, Rico Rodriguez, entre outros. O nome Vere Johns pode significar pouco para muitos, embora, ironicamente, seja um nome que carrega muito peso em termos de sua relação com a música jamaicana em seus estágios embrionários.

Você pode imaginar como seria a música reggae da Jamaica hoje sem a sua contribuição?


Alton Ellis, um dos artistas que tiveram sua passagem pelo show de talentos

Vere John nasceu no ano de 1893 em Mandeville - Jamaica. Foi um jornalista, empresário, personalidade do rádio e ator. Com o tempo foi morar em Kingston onde trabalhou no serviço postal, mas metade da história ainda não foi contada. Johns ofereceu-se para servir a seu país na Primeira Guerra Mundial lutando no Egito, Itália e França por quatro anos e, depois de retornar como soldado condecorado, voltou a trabalhar no serviço postal. Porém, depois de um tempo ele resolveu tentar a sorte nos EUA, isso no ano de 1929. Durante esse período ele escreveu para vários jornais.  A ideia de um show de talentos Vere Johns nasceu de um pedido do chefe do jornal Savannah Journal com quem Johns trabalhava, a príncipio o objetivo era traçar uma estratégia para aumentar a frequência nos cinemas. Com a ajuda de sua esposa, Lillian, o show começou em Savannah, Georgia, em 1937, antes do casal mudar o evento para a Jamaica em 1939. Porém, esse retorno "rápido" se deve ao fato de John escrever no jornal as injustiças sofridas pelos negros. Isso atraiu a ira de grupos opostos, incluindo a Ku Klux Klan, precipitando seu retorno à Jamaica em 1939. Com as malas prontas, voltou para a Jamaica com o programa que havia criado com a sua esposa.



Mandeville, Jamaica, 1900




Vere Johns e Lillian

As primeiras audições do "Vere Johns Opportunity Hour" ocorriam nos teatros: Ambassador Theatre, Palace Theatre , Majestic e Carib And Odeon. Ele financiava sozinho os custos da produção do programa. Eles vieram em massa - esperançosos, atores, dançarinos, malandros, cantores - todos ajoelhados a seus pés, em busca de uma oportunidade de se tornarem artistas populares. O alto padrão das apresentações costumava ser incrível com a tensão, em torno de quem acabaria por vencer, atingindo um nível febril. Você pode imaginar uma batalha real entre Alton Ellis e sua irmã Hortense em 1959, na qual Hortense venceu por um triz. Todos o viam como o homem que detinha a chave da porta do sucesso. De acordo com Colby Graham, autor da revista The Vintage Boss, "moedas eram frequentemente jogadas no palco por membros do público para registrar sua aprovação a uma performance sólida." A prática foi, no entanto, denunciada por Johns, que a viu como um movimento perigoso que às vezes tinha os artistas 'esquivando-se' para se proteger.

The Ambassador


The Majestic



Carib And Odeon



Palace Theatre


Em outro sentido, os programas de talento de Johns eram mais como uma sessão de audição para produtores musicais (Nomes como Duke Reid e Coxsone Dodd estava na primeira fila) que buscavam talentos para gravar. Muitos artistas jamaicanos de sucesso foram atraídos para estúdios de gravação por meio dessa rota, e isso, em poucas palavras, ressalta a importância dos Vere Johns na história da música da Jamaica. Além de expor os vencedores em seu programa de rádio "Opportunity Knocks" na Rádio Jamaica. Alguns contam que ele chegou mesmo até a financiar despesas de viagens para alguns participantes.


Duke Reid ( Treasure Island) e Coxsone Dodd ( Studio 1)

John era uma pessoa que tinha um olhar atento ajudar os desprivilegiados, tanto que em escreveu em sua coluna The Star que mantinha  em um jornal local: "Existem pessoas com dinheiro nessas terras que não oferecem ajuda nenhuma, eles preferem ver um homem no esgoto, ou até mesmo tirar sua vida com as próprias mãos".

Vere Johns morreu em Kingston, Jamaica, em 10 de setembro de 1966.

É inegavél a contribuição que a cena reggae mundial deve a Vere Johns e as suas audições ao longo dos anos. Grandes nomes do reggae mundial, que hoje acrescentamos às nossas playlists, passaram por ele. Se não fosse pelo trabalho de Johns, talvez muitos teriam caído no esquecimento ou acabado em outras ocupações. Como ele, poucos são os que cumpriram esses critérios para ser considerado um heroi nacional.


Comente, diga o que achou desse artigo. Compartilhe!

Fontes:
http://www.jamaicaobserver.com/entertainment/vere-johns-unsung-hero_103321?profile=0
http://jamaica-gleaner.com/article/entertainment/20170813/vere-johns-unearthed-musical-talents-helped-shape-jcan-music
https://en.wikipedia.org/wiki/Vere_Johns
http://jamaica-gleaner.com/gleaner/20100302/ent/ent2.html
https://www.peoplepill.com/people/vere-johns/
http://jamaica-gleaner.com/gleaner/20120527/ent/ent6.html



Deixe seu Comentário


marcio - 28/09/2020 13h32
Parabéns pela matéria uma grande fonte de conhecimento e informação para os apreciadores da música jamaicana
Helder - 28/09/2020 06h24
Salve salve grande Enio, matéria muito interessante, Top
Muniz - 27/09/2020 18h42
Belo Artigo, muito bom trazer à luz do reconhecimento aqueles que muito fizeram para o desenvolvimento da nossa cultura Reggae. Parabéns!!!!
Alex Peixoto de Melo - 27/09/2020 11h13
Só temos que agradecer pela sua imensa contribuição a música e cultura Jamaicana.